Bem-aventurado Carlos de Jesus (Charles de Foucald), Sacerdote (†1916).   

charles_foucauldHoje celebramos a memória desse grande homem que é exemplo para nós. Nascido aos 15 de dezembro de 1858 em Estrasburgo, viveu uma vida desregrada buscando apenas o próprio prazer. Começou a carreira militar, mas foi afastado com desonra, por indisciplina e má conduta. Diante da expulsão, se dedicou a viajar e a explorar o Marrocos. Voltando à Europa foi até a igreja de Santo Agostinho de Paris, queria receber uma instrução religiosa, mas ouviu outra indicação por parte do padre Henri Huvelin: devia se confessar e receber a santa comunhão. Ele de pronto obedeceu e, em seguida, escreveu: “Daquele dia em diante a minha vida foi uma sucessão de bênçãos”. Numa carta escrita ao amigo Henri de Castries: “Apenas comecei a crer que houvesse um Deus, compreendi que não poderia viver senão para ele: a minha vocação religiosa nasceu no mesmo momento em que nascia a minha fé: Deus é grande… mas não creia que minha fé tenha se formado entre uma manhã e uma noite”. Em todo caso, Charles aceitou o conselho do padre Huvelin, de ir em peregrinação até a Terra Santa. Indo até a Terra Santa, Charles seguiu os passos de Jesus, permanecendo particularmente tocado pela cidadezinha de Nazaré, onde ficou por dez dias. Retornando à Europa, decidiu entrar no mosteiro trapista de Nossa Senhora das Neves, em Ardéche. Em 1897 volta à Nazaré e aí compreende que deve seguir o sacerdócio. De fato, em 1901 é ordenado sacerdote. Em 1905 o encontramos junto à população tuareg de Tamanrasset: assimilou tão profundamente a vida dos tuareg que, infelizmente, acabou por ficar doente, em virtude de uma grande seca. Nessa ocasião, os próprios habitantes tomaram conta dele durante o período de convalescência. Apesar disso, continuou seu trabalho pastoral. No dia 1 de dezembro de 1916, estava trabalhando quando sentiu que batiam à sua porta. Abriu a porta e se deparou com um grupo de salteadores. Após o roubo, o grupo ficou assustado, em função do ruído da chegada de um destacamento de soldados, cavalgando dromedários. Diante dessa chegada inesperada, um jovem que custodiava Charles, se assustou e disparou um tiro de fuzil que acabou por vitimá-lo. Seu corpo, jogado no fosso do forte, onde se encontrava, foi resgatado pelo comandante Laperrine, que o sepultou num local mais adequado. Em 1929, seus restos mortais foram transferidos para o cemitério francês de El Golea, na Algéria. Seu exemplo de vida chegou a ser citado na Encíclica Populorum Progressio do papa Paulo VI:

“Em muitas regiões foram contados entre os pioneiros do progresso material e do desenvolvimento cultural. Basta relembrar o exemplo do padre Charles de Foucauld, que foi considerado digno de ser chamado, pela sua caridade, “Irmão universal”, e redigiu um precioso dicionário da língua tuaregue. Sentimo-nos na obrigação de prestar homenagem a estes precursores, tantas vezes ignorados, a quem a caridade de Cristo impelia, assim como aos seus êmulos e sucessores, que ainda hoje continuam a servir generosa e desinteressadamente aqueles que evangelizam” (n. 12).

No dia 24 de abril de 2001, o papa São João Pualo II autorizou a promulgação do decreto que declarava Venerável o irmão Charles de Foucald. A beatificação ocorreu sob o pontificado de Bento XVI, aos 15 de maio de 2005, na solenidade de Pentecostes.

  Fonte: Aleteia.

 

 

Anúncios

FALSA IDOLATRIA: Os Iconoclástas (“quebradores de imagens”) de hoje – parte 2 .

Diante da tal matéria (citada anteriormente) qual dos lados estaria com a razão? Estaria a Igreja Católica infringindo o Mandamento de Ex. 20,4 ou estaria a Igreja aplicando-o conforme a vontade de Deus? 

Qual a diferença entre IMAGEM E ÍDOLO?

A imagem é muito mais do que uma simples escultura: na verdade é qualquer coisa que permite excitar a nossa vista, pouco importando se é uma escultura, um desenho, uma pintura, um objeto. Até mesmo os dicionários não religiosos são unânimes em afirmar que a imagem é a representação de um objeto pelo desenho, pintura, escultura, etc. Logo, uma pintura de Michelangelo é uma imagem da mesma forma que o desenho do tio Patinhas e o busto do Duque de Caxias também o são, de modo que não importa se a imagem está em “segunda dimensão” (podendo ser representada num plano x-y) ou em “terceira dimensão” (representada no plano x-y-z), mas que ela excite a vista e, por consequência, a imaginação, que é a capacidade de conceber abstratamente aquilo que é concreto, real.

pastor chuta santa
Inesquecível: pastor da “IURD” CHUTANDO IMAGEM – 1994.

Desta forma, uma imagem – principalmente a imagem religiosa – encerra um sentido muito mais profundo do que o próprio objeto. Ela, sem precisar – necessariamente – fazer uso da palavra, consegue falar e sensibilizar as pessoas com muito mais facilidade que ótimos oradores, pois carrega uma linguagem própria que nem sempre precisa excitar nossos ouvidos. É inegável o poder de persuasão da imagem: a TV (imagem) não suplantou o rádio (palavra)? São Paulo não se converteu ao Evangelho graças à visão resplandecente de Cristo no caminho de Damasco? Quantos homens também não se converteram por um simples olhar para uma imagem ou crucifixo mudos no interior de uma igreja? Até mesmo a Bíblia afirma que o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus (cf. Gn. 1,26-27). Vemos, assim, que o velho ditado “uma imagem vale mais do que mil palavras” é mais do que verdadeiro: é uma realidade.

Já o Ídolo não é – e jamais foi! – sinônimo de imagem. Ambos são distintos e inconfundíveis…

Ao contrário da imagem, que excita a vista, o ídolo é aquilo que substitui o único e verdadeiro Deus. Um bom exemplo, que confirma a nossa tese, é o episódio do bezerro de ouro narrado em Ex. 32: como Moisés demorava para descer do Monte Sinai, os hebreus fugitivos do Egito não tardaram a confeccionar um bezerro em ouro, a quem cultuaram como se fosse o verdadeiro Deus.

Elementos que caracterizam o ídolo(segundo Ex. 32,1b-2.4.6a) :

  1. Confunde-se com o verdadeiro e único Deus.
  2. São-lhe atribuídos poderes exclusivamente divinos.
  3. São-lhe oferecidos sacrifícios devidos ao verdadeiro Deus.
  4. A resposta da Igreja sobre a questão das imagens sacras já no séc. VIII

Com a eclosão da iconoclastia nos séculos VIII e IX, o Segundo Concílio de Nicéia, em 787, reafirmou solenemente a validade da veneração das imagens, não pelo valor do material em si, mas pelo valor das figuras que representam; seu culto, assim, é relativo, explicando-se pelo oferecimento indireto das orações àqueles que as imagens representam. Assim se definiram os padres conciliares na Sessão de 13 de outubro de 787:

“Definimos […] que, como as representações da Cruz, […] assim também as veneráveis e santas imagens, em pintura, em mosaico ou de qualquer outra matéria adequada, devem ser expostas nas santas igrejas de Deus, nas casas e nas estradas. O mesmo se faça com a imagem de Deus Nosso Senhor e de Jesus Cristo Salvador, com as da […] Santa Mãe de Deus, com as dos Santos anjos e as de todos os Santos e justos. Quanto mais os fiéis contemplarem essas representações, mais serão levados a se recordar dos modelos originais, a se voltar para eles, a lhes testemunhar… uma veneração respeitosa, sem que isso seja adoração, pois esta só convém, segundo a nossa fé, a Deus”.

Portanto, se a História é realmente mestra da vida, como afirmava o filósofo Cícero, por que não aprendemos com os erros do passado e não abraçamos a Caridade verdadeira que nos ensina Nosso Senhor? Se sabemos que tantos cristãos foram torturados e mortos no período da perseguição iconoclasta, por que ainda alimentar a discórdia?

O que lemos em artigos como os que encontramos em blogues e sites que se dizem “apologéticos” (e não o são de fato!) só contribuem para um “proselitismo puritano” que nos escravizam e tiram nossa liberdade que temos em Cristo Jesus (cf. Gl. 2,4). Estranhamente, eles afirmam respeitar “todas as pessoas de todas as religiões”, mas não se dão ao respeito. Artigo condenável e totalmente desrespeitoso.

FALSA IDOLATRIA: Os Iconoclástas (“quebradores de imagens”) de hoje – parte 1.

cirio1Recentemente, enquanto fazia uma busca sobre o Círio de Nazaré (PA), me deparei com um infame site chamado: Centro Apologético Cristão de Pesquisas” (CACP), com um artigo intitulado “O pecado da idolatria”. Em tal artigo, trazia uma foto do Círio em Belém.

Isso foi o que me motivou a escrever algumas notas sobre o tema. É triste ver que muitas pessoas ao se depararem com tal artigo o tomam como verdade absoluta, sem criticidade alguma e , nem mesmo se dão ao trabalho de observar as suas fontes.

O ser humano, como ser dotado de razão, deve aprender com a sua História. A Igreja, como Instituição divino-humana, tem também a sua História.  E o que ela diz a este respeito?

Iconoclastia ou Iconoclasmo (do grego εικών, transl. eikon, “ícone”, imagem, e κλαστειν, transl. klastein, “quebrar”, portando “quebrador de imagem”) foi um movimento político-religioso contra a veneração de ícones e imagens religiosas no Império Bizantino que começou no início do século VIII e perdurou até ao século IX. [1] Os iconoclastas acreditavam que as imagens sacras seriam ídolos, e a veneração e o culto de ícones por conseqüência, – idolatria.

Em oposição a iconoclastia existe a iconodulia ou iconofilia (do grego que significa “venerador de imagem”), ao qual defende o uso de imagens religiosas, “não por crer que lhes seja inerente alguma divindade ou poder que justifique tal culto, ou porque se deva pedir alguma coisa a essas imagens ou depositar confiança nelas como antigamente faziam os pagãos, que punham sua esperança nos ídolos [cf. Sl 135, 15-17], mas porque a honra prestada a elas se refere aos protótipos que representam, de modo que, por meio das imagens que beijamos e diante das quais nos descobrimos e prostramos, adoramos a Cristo e veneramos os santos cuja semelhança apresentam. [2]

Clique aqui para a 2ª parte.

____________

[1] Иконоборчество. http://slovari.yandex.ru/dict/bse/article/00029/11700.htm?text=иконоборчество. Большая Советская Энциклопедия. издательство = Советская энциклопедия. 1969 — 1978
[2] Denzinger, Henrici; Hünermann, Petrus, Enchiridion symbolorum, definitionum et declarationum de rebus fidei et morum (Compêndio dos símbolos, definições e declarações de fé e moral), Paulinas (publicado em versão portuguesa brasileira em 2007), pp. 460 (Denzinger-Hünermann [*1823).

____________

Um exemplo de ignorância:

22º Domingo do Tempo Comum, Ano A.

Informações básicas:

– Carregar a Cruz – Oração – Que Deus derrame seu amor. – Leituras: Jr 20, 7-9; Sl 62; Rm 12, 1-2; Mt 16, 21-27.

“Se alguém quer me seguir renuncie-se a si mesmo”.

pedroDando seguimento à nossa leitura semicontínua do Evangelho de Mateus, nosso “companheiro de viagem” para este ano A. No domingo passado nós ouvimos a profissão de fé do apóstolo Simão-Pedro (cf. Mt. 16, 16). Todavia, Pedro ainda não é capaz de se lançar nesta fé professada. Com palavras afirmou que Jesus é o Cristo, mas quando Jesus anuncia que o Messias deverá sofrer muito e ser morto, Pedro reage mal. Pois não lhe agrada o que Jesus lhes diz.

Hoje Pedro não é “modelo de fé”, mas “modelo negativo” do discípulo contestador e crítico. Por isso, toma Jesus à parte e o repreende. A resposta de Jesus é clara: Vade retro satana. Numa tradução mais acertada do latim seria: Vai para trás de mim, satanás. → substantivo comum, diferente de nome próprio (Jesus não chama Pedro de Diabo!). Satanás ou Satã vem do hebraico: Satan, adversário, opositor, ou em sentido genérico: “pedra de tropeço”.  Portanto, no momento que Pedro adere a Jesus ele é “Pedra fundamental”, mas quando se opõe a Jesus, ele se torna “pedra de tropeço”.

A famosa frase: Vade retro satana, simboliza que no antigo discipulado, o Mestre (heb.: rabi) caminhava à frente dos seus discípulos (heb.: talmidim). Significando que o caminho para a sabedoria era traçado pelo mestre. Então, o que Jesus queria dizer a Pedro: tens uma mentalidade humana (mundana/ imanente) e por isso, precisa mudar sua maneira de pensar! Humanamente falando, Pedro não se alegrava em seguir um mestre que era fadado ao fracasso e a morte, era relutante em aceitar isso.

E a todos Jesus afirma: “Se alguém quer me seguir (ser meu discípulo), renuncie a si mesmo (a sua maneira de pensar), tome a sua cruz e me siga”. Jesus quer que seus discípulos aprendam a serem dóceis e apreendam a sua maneira de pensar. Aprender com o Mestre Jesus a tudo fazer como Ele!

Na primeira leitura (Jr 20,7-9), temos um outro modelo: o profeta Jeremias. Homem de temperamento forte, um apaixonado pregador da mensagem de Deus. Aqui se encontra em um momento difícil: sua missão de PROFETA que ANUNCIA a vontade de Deus (conversão) e ameaça calamidades; DENUNCIA o pecado do povo de Israel. Sua missão se tornou tão pesada que Jeremias era perseguido e humilhado. Agora, mostrando-se cansado, ele reclama com Deus, se sente seduzido, ou seja, enganado.  Ele quer desistir, mas reconhece que não pode. Porque arde dentro de si “um fogo”, isto é, a presença de Deus. Por isso, Jeremias deve dizer “Não” a si mesmo e às suas vontades.

No Salmo 62, intitulado: Oração do sedento de Deus, de alguém que deseja ardentemente a presença de Deus, a ponto de comparar seu desejo à necessidade vital de água. É alguém que diz “Não” a si mesmo para desejar o encontro com Deus.

Temos na segunda leitura (Rm 12, 1-2) uma exortação moral de s. Paulo. Ele nos pede para oferecer um sacrifício espiritual (racional/ da razão).  E nos pede: “Não vos conformeis (entrar na forma) com o mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar (mudando a mentalidade) e de julgar”.  Procurando fazer a vontade de Deus em nossas vidas.

Na caminhada/progresso de fé do discípulo missionário faz-se necessário esta mudança de mentalidade. Aliás, é aí que se começa a verdadeira conversão. Uma vez mais, afirmo: Jesus quer que seus discípulos aprendam a serem dóceis e apreendam a sua maneira de pensar. Aprender com o Mestre Jesus a tudo fazer como Ele. Como se sabe, “um cristão é outro cristo”. Portanto, diante das situações da vida cotidiana (sejam elas situações importantes ou ordinárias) faz-se necessário pensar: O que Jesus faria no meu lugar?

Fonte exegética: 

Don Claudio Doglio

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO PARA A XXV JORNADA MUNDIAL DO ENFERMO 2017

 «Admiração pelo que Deus faz: “o Todo-Poderoso fez em mim maravilhas” (Lc 1, 49)»

Queridos irmãos e irmãs,

Pope Francis visits 'Bambin Gesu' children's hospitalNo próximo dia 11 de fevereiro, celebrar-se-á em toda a Igreja, e de forma particular em Lourdes, a XXV Jornada Mundial do Doente, sob o tema: «Admiração pelo que Deus faz: “o Todo-Poderoso fez em mim maravilhas” (Lc 1, 49)». Instituída pelo meu predecessor São João Paulo II em 1992 e celebrada a primeira vez precisamente em Lourdes no dia 11 de fevereiro de 1993, tal Jornada dá ocasião para se prestar especial atenção à condição dos doentes e, mais em geral, a todos os atribulados; ao mesmo tempo convida quem se prodigaliza em seu favor, a começar pelos familiares, profissionais de saúde e voluntários, a dar graças pela vocação recebida do Senhor para acompanhar os irmãos doentes. Além disso, esta recorrência renova, na Igreja, o vigor espiritual para desempenhar sempre da melhor forma a parte fundamental da sua missão que engloba o serviço aos últimos, aos enfermos, aos atribulados, aos excluídos e aos marginalizados (cf. João Paulo II, Motu proprio Dolentium hominum, 11 de fevereiro de 1985, 1). Com certeza, os momentos de oração, as Liturgias Eucarísticas e da Unção dos Enfermos, a interajuda aos doentes e os aprofundamentos bioéticos e teológico-pastorais que se realizarão em Lourdes, naqueles dias, prestarão uma nova e importante contribuição para tal serviço.

Sentindo-me desde agora presente espiritualmente na Gruta de Massabiel, diante da imagem da Virgem Imaculada, em quem o Todo-Poderoso fez maravilhas em prol da redenção da humanidade, desejo manifestar a minha proximidade a todos vós, irmãos e irmãs que viveis a experiência do sofrimento, e às vossas famílias, bem como o meu apreço a quantos, nas mais variadas tarefas de todas as estruturas sanitárias espalhadas pelo mundo, com competência, responsabilidade e dedicação se ocupam das melhoras, cuidados e bem-estar diário de todos vós. Desejo encorajar-vos a todos – doentes, atribulados, médicos, enfermeiros, familiares, voluntários – a olhar Maria, Saúde dos Enfermos, como a garante da ternura de Deus por todo o ser humano e o modelo de abandono à vontade divina; e encorajar-vos também a encontrar sempre na fé, alimentada pela Palavra e os Sacramentos, a força para amar a Deus e aos irmãos mesmo na experiência da doença.

Como Santa Bernadete, estamos sob o olhar de Maria. A jovem humilde de Lourdes conta que a Virgem, por ela designada «a Bela Senhora», a fixava como se olha para uma pessoa. Estas palavras simples descrevem a plenitude dum relacionamento. Bernadete, pobre, analfabeta e doente, sente-se olhada por Maria como pessoa. A Bela Senhora fala-lhe com grande respeito, sem Se pôr a lastimar a sorte dela. Isto lembra-nos que cada doente é e permanece sempre um ser humano, e deve ser tratado como tal. Os doentes, tal como as pessoas com deficiências mesmo muito graves, têm a sua dignidade inalienável e a sua missão própria na vida, não se tornando jamais meros objetos, ainda que às vezes pareçam de todo passivos, mas, na realidade, nunca o são.

Bernadete, depois de estar na Gruta, graças à oração, transforma a sua fragilidade em apoio para os outros; graças ao amor, torna-se capaz de enriquecer o próximo e, sobretudo oferece a sua vida pela salvação da humanidade. O facto de a Bela Senhora lhe pedir para rezar pelos pecadores lembra-nos que os doentes, os atribulados não abrigam em si mesmos apenas o desejo de curar, mas também o de viver cristãmente a sua existência, chegando a doá-la como autênticos discípulos missionários de Cristo. A Bernadete, Maria dá a vocação de servir os doentes e chama-a para ser Irmã da Caridade, uma missão que ela traduz numa medida tão elevada que se torna modelo que todo o profissional de saúde pode tomar como referência. Por isso, peçamos à Imaculada Conceição a graça de saber sempre relacionar-nos com o doente como uma pessoa que certamente precisa de ajuda – e, por vezes, até para as coisas mais elementares – mas também é portadora do seu próprio dom que deve partilhar com os outros.

O olhar de Maria, Consoladora dos aflitos, ilumina o rosto da Igreja no seu compromisso diário a favor dos necessitados e dos doentes. Os preciosos frutos desta solicitude da Igreja pelo mundo dos atribulados e doentes são motivo de agradecimento ao Senhor Jesus, que Se fez solidário conosco, obedecendo à vontade do Pai até à morte na cruz, para que a humanidade fosse redimida. A solidariedade de Cristo, Filho de Deus nascido de Maria, é a expressão da omnipotência misericordiosa de Deus que se manifesta na nossa vida – sobretudo quando é frágil, está ferida, humilhada, marginalizada, atribulada –, infundindo nela a força da esperança que nos faz levantar e sustenta.

Uma riqueza tão grande de humanidade e de fé não deve ficar perdida, mas sim ajudar-nos a enfrentar as nossas fraquezas humanas e, ao mesmo tempo, os desafios presentes em âmbito sanitário e tecnológico. Por ocasião da Jornada Mundial do Doente, podemos encontrar novo impulso a fim de contribuir para a difusão duma cultura respeitadora da vida, da saúde e do meio ambiente; encontrar um renovado impulso a fim de lutar pelo respeito da integridade e dignidade das pessoas, inclusive mediante uma abordagem correta das questões bioéticas, a tutela dos mais fracos e o cuidado pelo meio ambiente.

Por ocasião da XXV Jornada Mundial do Doente, reitero a minha proximidade feita de oração e encorajamento aos médicos, enfermeiros, voluntários e a todos os homens e mulheres consagrados comprometidos no serviço dos doentes e necessitados; às instituições eclesiais e civis que trabalham nesta área; e às famílias que cuidam amorosamente dos seus membros doentes. A todos, desejo que possam ser sempre sinais jubilosos da presença e do amor de Deus, imitando o testemunho luminoso de tantos amigos e amigas de Deus, dentre os quais recordo São João de Deus e São Camilo de Lélis, Padroeiros dos hospitais e dos profissionais de saúde, e Santa Teresa de Calcutá, missionária da ternura de Deus.

Irmãs e irmãos todos – doentes, profissionais de saúde e voluntários –, elevemos juntos a nossa oração a Maria, para que a sua materna intercessão sustente e acompanhe a nossa fé e nos obtenha de Cristo seu Filho a esperança no caminho da cura e da saúde, o sentido da fraternidade e da responsabilidade, o compromisso pelo desenvolvimento humano integral e a alegria da gratidão sempre que Ele nos maravilha com a sua fidelidade e a sua misericórdia:

Ó Maria, nossa Mãe,
que, em Cristo, acolheis a cada um de nós como filho,
sustentai a expectativa confiante do nosso coração,
socorrei-nos nas nossas enfermidades e tribulações,
guiai-nos para Cristo, vosso filho e nosso irmão,
e ajudai a confiarmo-nos ao Pai que faz maravilhas.

 

A todos vós, asseguro a minha recordação constante na oração e, de coração, concedo a Bênção Apostólica.

Vaticano, 8 de dezembro – Festa da Imaculada Conceição – de 2016.

Pp. Francisco.

Banda de rock peruana composta totalmente por freiras “viraliza” na internet.

Uma banda de rock peruana composta totalmente por freiras virou uma sensação na internet. Segundo a irmã Mônica Nobl, o grupo musical, chamado Siervas (“Servas” em espanhol), se formou em um convento em Lima.

Conversando sobre música, as freiras perceberam que várias delas sabiam tocar diferentes instrumentos.

“As pessoas se esquecem de que as freiras eram pessoas normais antes de se tornarem freiras. Nós somos como você, nós ouvimos música pop e rock a vida toda”, disse a religiosa.

A banda compôs músicas e gravou vídeos que viralizaram – para encontrá-la nas redes siervassociais, basta procurar por @SiervasMusica. As freiras se apresentaram para o papa Francisco durante uma visita dele ao México.

Depois disso, passaram a receber convites para se apresentar em diversos países. “Nós vamos para onde Deus aponta. Não temos planos preestabelecidos”, contou a irmã Mônica Bobl.

Fonte: BBC Brasil

Sacramento da Confissão: Não tenha medo!

Jesus veio ao nosso mundo para tirar o pecado; como disse São João Batista, “Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1, 29).

O Filho de Deus não veio a este mundo para outra finalidade, senão esta. E para isso pregou o Evangelho da Salvação, instalou o Reino de Deus entre nós, instituiu a Igreja para levar a cabo esta missão de arrancar o pecado da humanidade, e morreu na Cruz, para com sua morte e ressurreição nos justificar diante da Justiça divina.

Com o preço infinito de Sua Vida, Ele pagou o nosso resgate, reparou a ofensa infinita que nossos pecados fazem contra a infinita Majestade de Deus. E deixou com a Sua Igreja a incumbência de levar o perdão a todos os que crerem no Seu Nome. É por meio da Confissão (= Penitência, Reconciliação) que a Igreja cumpre a vontade de Jesus de levar o perdão e a paz aos filhos de Deus.

Infelizmente muitos católicos ainda não se deram conta da importância capital da Confissão, que só na Igreja Católica existe.

“Alguém pode dizer: ‘Eu confesso-me apenas a Deus’. Sim, podes pedir perdão a Deus e dizer os teus pecados, mas os nossos pecados são também contra os irmãos, contra a Igreja, por isso é necessário pedir perdão à Igreja, aos irmãos, na pessoa do sacerdote (…) Vai em frente, que o sacerdote será bom. É Jesus que está lá e Jesus é o melhor dos padres, Jesus recebe-te, com tanto amor. Sê corajoso e vai à Confissão! (…) Quando nos transformamos a nós mesmos na única medida, sem ter de prestar contas a ninguém, fechamo-nos a Deus e aos irmãos. Pelo contrário, quando nos deixamos reconciliar por Jesus, encontramos a verdadeira paz”.

Pp. Francisco, 19 – II- 2014.