4º Domingo do Advento, Ano A

Informações básicas

– Eis que a virgem conceberá…

– Oração –  conhecendo pela mensagem do anjo a encarnação de vosso Filho.

– Leituras: Is 7,10-14; Sl 23; Rm 1,1-7; Mt 1,18-24.

Ela dará a luz um filho, e tu lhe dará o nomes de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados…

tempo-do-advento-4Este último domingo do Advento, desse os primórdios do cristianismo, é dedicado a missão da Virgem Maria na História da Salvação. É por assim dizer, festa mariana. Neste Ano A, porém, São Mateus nos apresenta, ligada à missão de Maria, também a função de José. Este já compromissado[1] com Maria, ainda não moravam juntos. Neste período, Maria fica grávida por obra do Espírito Santo que cria nela a novidade absoluta: a Encarnação de Deus. Com a colaboração de uma criatura humana, Deus dá início a uma nova Humanidade. Mas para o pobre José, era demais. Realmente, era algo além da imaginação.

Então, o anjo do Senhor lhe aparece em sonho, lhe diz que deve ter confiança e crer em Maria, pois o Filho vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus (que quer dizer: Deus Salva), pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados, diz o anjo.

Assim, se cumpre a profecia de Isaías mencionada na primeira leitura. Diante da ameaça dos invasores, Isaías propõe ao rei Acaz que peça um sinal a Deus. Este não era temente ao Senhor e, assim, despreza o pedido. Mas, a contragosto, Deus mesmo lhe dá um sinal: Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel. Esta Jovem grávida se torna uma grandiosa figura poética e profética da salvação oferecida por Deus. É o nascimento da vida nova! Como profecia, o texto foi conservado para as futuras gerações.

nossa-senhora-gravidaA palavra em hebraico correspondente a jovem mulher [‘almah], em grego vem traduzido como virgem [parthenos]. Com o passar do tempo, a profecia muda de forma e destaca-se o aspecto miraculoso de um parto virginal. Contudo, originalmente não era assim entendida a profecia. Foi o fato histórico do nascimento de Jesus da Virgem Maria que permitiu compreender o real significado da profecia de Isaías.

Contemplamos no salmo 23 um antigo texto da liturgia de ingresso. É o Senhor (presente na Arca da Aliança) que adentra o Santuário ou o movimento de subida para o Templo. MÃOS PURAS (Ação) e CORAÇÃO INOCENTE (intenção) são qualidades necessárias o fiel receber a benção da passagem do Senhor.  Vinde Senhor da Glória, entrai em nossas vidas!

Temos como trecho da segunda leitura, a saudação inicial da Carta aos Romanos. Esta rica de sentido teológico: a apresentação de Jesus em suas duas naturezas: descendente de Davi, segundo a carne (verdadeiro homem) e autêntico Filho de Deus (segundo a Ressurreição, sendo verdadeiro Deus). É o mesmo menino que chegará até nós no Natal. Todos nós, que somos chamados ao Evangelho da Salvação, somos chamados à obediência da fé, assim como São José. Obedecer a Deus é crer Nele, pois somente se mostra a fé obedecendo. Não nos esqueçamos de que a nossa obediência a Deus também revela o quanto O amamos. A caminhada com Deus nunca é de “religiosidade cega”, mas relacional. Fomos criados por Deus e para Deus para um relacionamento pessoal e íntimo com Ele. Na “obediência da fé” abramos nosso coração e nos preparemos para a chegada do Menino-Deus que vem no Natal.

___________

[1] O Evangelho explica que Maria estava desposada com José. Ainda que a palavra “desponsório” hoje signifique compromisso matrimonial (ou o noivado, a petição da mão), na época bíblica representava um acordo que tinha inclusive mais peso legal que um casamento. O rito do desponsório era realizado um ano antes do casamento propriamente dito. O casal comprometido já era considerado como marido e mulher; é por isso que o evangelista São Mateus os chama de “esposo” e “esposa”. Esperava-se que os noivos fossem fiéis ao longo desse ano de compromisso.

Anúncios

3º Domingo do Advento, Ano A

Informações básicas:

– “Ide contar a João o que estais ouvindo e vendo: os cegos recuperam a vista…”

– Oração –  celebrar as alegrias da salvação com intenso júbilo na solene liturgia.

– Leituras: Is 35,1-6.10; Sl 145; Tg 5,7-10; Mt 11,2-11.

És tu aquele que há de vir ou devemos esperar um outro?

adv3Neste domingo, novamente temos como um dos personagens centrais do trecho evangélico a figura de João Batista. Agora, já na prisão, João envia seus discípulos a Jesus. Ele, por sua vez, começa o seu ministério público somente após a prisão de João (isto, no Evangelho de S. Mateus). Talvez para destacar que Sua missão começa com o fim da missão de João Batista. Ou ainda, como profecia: a mesma sorte violenta, sofrida por João, caberá também a Jesus.

João pregou a verdade, opondo-se aos poderosos. De modo particular, o Tetrarca Herodes Antipas, que viva maritalmente com a mulher de seu irmão Filipe. Essa mulher não perdoa João a ponto de prendê-lo. Possivelmente, em seu íntimo, João se questionava: se Jesus é o Messias, por que os maus ainda levam a melhor sobre os justos? Por isso, envia seus discípulos até o Senhor.

Jesus convida-lhes a transmitir tudo o que viram e ouviram, isto é, as obras de salvação do Messias, manifestadas por Ele. A Boa-Nova do Evangelho realiza maravilhas e prodígios na vida dos que creem, muda-lhes a vida. É isto que devem eles anunciar a João. As coisas devem piorar: João em breve morreria na prisão e até mesmo  Jesus seria condenado a morte de cruz. Assim, a Boa-Nova da Salvação não consiste em um “paraíso de facilidades”, mas exige de seus ouvintes um envolvimento pessoal. É realizar através de nossas vidas o Seu grande projeto de Salvação.

Como Primeira Leitura, temos um trecho de Isaías (Is 35,1-6.10) em estilo apocalíptico, onde Isaías descreve a Revelação da Nova Criação: abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos… Observamos quase que as mesmas palavras usadas por Jesus no Evangelho, onde convida os discípulos de João Batista a contar-lhe as maravilhas vistas e ouvidas. Isaías acrescenta: É o próprio Deus que vem para vos salvar. Também nós exclamamos com o salmista: Vinde Senhor, para salvar o vosso povo! (Sl. 145).

 Muitas vezes, somos nós que temos as mãos enfraquecidas e os joelhos vacilantes. Hoje é o DOMINGO DA ALEGRIA porque o Senhor, nosso Deus, vem nos Salvar! É a presença do Senhor que muda a nossa vida e, é para a melhor! Por isso, a liturgia nos convoca: CRIAI ÂNIMO! TENDE CORAGEM!

Na Segunda Leitura, São Tiago nos convida a constância (perseverança) em nossa fé. Assim como o agricultor espera pacientemente o fruto, fiquemos firmes na esperança do Senhor que vem! E desde já, ele está mudando nossas vidas. Suportemos o sofrimento com a perseverança dos profetas, como fez João Batista. E não tenhamos dúvida: o Senhor vem para salvar o povo que é Dele.

2º Domingo do Advento, Ano A

Informações básicas
-Convertei-vos
– Oração –  nenhuma atividade impeça correr ao encontro de Cristo.
– Leituras: Is 11, 1-10; Sl 71; Rm 15,4-9; Mt 3,1-12. 

“Convertei-vos, porque o Reino dos céus está próximo”.

segunda-vela-adventoTodos os anos, o segundo domingo do Advento nos propõe a figura de João, mais conhecido  por seu apelido Batista. Que quer dizer: Batizador, pois imergia as pessoas nas águas do Rio Jordão, como sinal de conversão.
João Batista começou sua pregação no curso inferior do rio Jordão, na região de Jericó, no deserto. Região esta, que afluía um número muito grande de pessoas. Sua vestimenta rústica, descrita como: “uma roupa feita de pêlos de camelo e um cinturão de couro em torno dos rins” – era bastante similar a que usava o profeta Elias (cf. 2 Reis 1, 18). Também o ponto onde João fazia sua pregação era o mesmo em que Elias havia sido assunto (cf. 2 Reis 2, 11). Por isso, as pessoas tinha a impressão de que Elias havia voltado. Isto, por se tratar de uma figura estranha aos costumes e, era devido à sua pregação de cunho apocalíptico.
Os fariseus e saduceus que se apoiavam em tradições externas, eram duramente censurados por João. Usavam de seu status de “filhos de Abraão” para se manterem num caminho longe do Senhor. E João cita um trocadilho com os termos hebraicos”filhos” (BANIM) e “pedras” (ABANIM) o que muda é apenas uma vogal. Pois a dignidade de filhos, Deus pode suscitar em quem ele quiser. Não vos ilidais com vossos privilégios, mas deis frutos de conversão, frutos dignos de filhos de Abraão!
baptist3Com este anúncio, João Batista nos ajuda a preparar o Caminho para o Senhor que vem. Pois Ele, o Messias , vem “com a pá na mão” para separar o trigo da palha. E assim, cada um terá o seu destino: ao trigo (os bons) cabe o celeiro (o Paraíso), a palha (os maus) o fogo que não se apaga. 
Como primeira Leitura, temos hoje o capítulo 11 de Isaías. É um esplêndido poema de esperança. Do “tronco de Jessé”- da árvore genealógica de Davi que não se extinguiu – mesmo cortado, este tronco dará um rebento (broto). O profeta nos diz que, mesmo com o fim da monarquia em Judá e Israel, não morre a esperança. O Vento (Ruah – Espírito) do Senhor o fará crescer. E o Cristo (rebento) terá a plenitude dos dons do Espírito Santo. Ele dará à Humanidade a possibilidade do retorno ao Édem, e nos descrevem uma cena onde os inimigos naturais convivem em harmonia. 
Mas esta mudança não se dará de forma mágica, pois Deus conta com nossa colaboração. Por isso, esta mudança começa em mim e em você! Onde está o nosso empenho no caminho de conversão? Os frutos de conversão, nós os vemos nas pequenas coisas de cada dia, e não nas grandes…
O Salmo de hoje, Sl. 71, é um Hino Messiânico, de quem espera ardentemente a chegada do Rei (Messias). Este será diferente dos reis deste mundo, pois instaurará seu REINADO DE  AMOR, HARMONIA, PAZ, E LUZ INFINITA.
A nossa segunda leitura, extraída da Carta aos Romanos, São Paulo nos diz que Cristo mantém as promessas de Deus. Ele faz justiça à Israel: nação de circuncisos, mas vai além: oferece misericórdia a todos os povos, tidos como pagãos. Todos somos convocados para a Assembleia Universal (IGREJA CATÓLICA) que se reunirá  na plenitude no Reino dos Céus. Produzamos frutos de conversão para podermos entrar em seu Reino!

Deus abençoe sua vida!

Videoclipe da canção “Mary, did you know?” (Maria, você sabia?)”viraliza” na Net!

nossa-senhora-gravidaO videoclipe da canção “Mary, did you know?” (Maria, você sabia?), interpretada à capela pelo grupo Pentatonix, até então foi visualizado por mais de 77 milhões de pessoas depois de ter revolucionado o YouTube no seu lançamento em 2014. Próximo ao tempo do Advento daquele ano, as cinco vozes do Pentatonix lançaram o seu disco natalino “That’s Christmas to me” vendido no iTunes, recordando o verdadeiro sentido das festas natalinas.

A letra da canção foi escrita pelo compositor cristão norte-americano Mark Lowry em 1984, a pedido de um pastor para um teatro de Natal. Lowry escreveu várias perguntas dirigidas à Virgem Maria. Anos depois, Lowry buscou um fundo musical e foi Buddy Greene quem o compôs. Desde então, foi interpretada por mais de 30 artistas.

Esta é a letra da canção traduzida ao português:

Maria, você sabia?

Maria, você sabia que seu filho irá um dia andar sobre a água?
Maria, você sabia que seu filho vai salvar nossos filhos e filhas?

Você sabia que seu filho veio para te fazer nova?
Que essa criança que você deu à luz, em breve, trará a Luz para você

Maria, você sabia que seu filho vai dar visão a um cego?
Maria, você sabia que seu filho vai acalmar uma tempestade com a própria mão?

Você sabia que seu filho caminhou onde anjos pisaram?
Que quando beijava o seu bebê você beijava o rosto de Deus.

Maria, você sabia? Maria, você sabia?

Os cegos verão, os surdos ouvirão
Os mortos voltarão a viver
Os paralíticos saltarão
Os mudos galarão os louvores do Cordeiro

Maria, você sabia que seu filho é o Senhor de toda a criação?
Maria, você sabia que seu filho irá um dia governar as nações?

Você sabia que seu filho é o Cordeiro Perfeito dos céus?
Que o Menino adormecido que você segura é o grande EU SOU?

Tradução da letra: ACI Digital

Advento: tempo da Espera…

adv

O Advento, que significa: “que está para vir”, é o tempo de espera, esperança e preparação para o natal, o nascimento do menino Jesus, com isto a comunidade cristã é chamada a viver algumas atitudes essenciais: A espera vigilante e jubilosa, a esperança e a conversão. No entanto o advento não se resume apenas nisto, pois celebrado a preparação para o natal, nós nos preparamos para a segunda vinda de Jesus, que não tem dia nem hora para acontecer. A Igreja vive esta espera na vigilância e na alegria, por isso reza: “Maranatá: Vinde Senhor Jesus”.

O tempo do Advento tem a duração de quatro semanas e não é mais considerado somente como tempo de penitência; ao contrário, é tempo de alegre expectativa. No tempo do Advento omite-se o hino do Glória nas celebrações litúrgicas, para que este hino angélico ressoe no Natal como um cântico novo. Nas duas primeiras semanas do Advento, a liturgia expressa um aspecto escatológico, colocando nos corações a alegre expectativa pela segunda vinda de Cristo. Nas semanas seguintes, a Igreja nos prepara diretamente para a celebração do Natal do Senhor.

O Advento deve ser celebrado com sobriedade e com discreta alegria. Pelo mesmo motivo, o diretório litúrgico da CNBB orienta que flores e instrumentos sejam usados com moderação, para que não seja antecipada a plena alegria do Natal de Jesus. Os paramentos litúrgicos são de cor roxa ou rósea, como sinal de recolhimento e conversão em preparação para a festa do Natal. A única exceção é o terceiro domingo do Advento, chamado Domingo Gaudete ou da Alegria, cuja cor tradicionalmente usada é a rosa ou lilás, em substituição ao roxo ou róseo, para revelar a alegria da vinda do Salvador que está bem próxima. O nome de Domingo Gaudete refere-se à primeira palavra da antífona de entrada deste dia, que é tirada da segunda leitura que diz: “Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito, alegrai-vos, pois o Senhor está perto” (Fl 4, 4).

coroa-do-adventoVários símbolos do Advento nos ajudam a mergulhar no mistério da encarnação e a vivenciar melhor este tempo. Entre eles há a coroa do Advento. Ela é feita de galhos sempre verdes entrelaçados, formando um círculo, no qual são colocadas quatro velas representando as quatro semanas do Advento. A cada domingo uma vela é acesa. A luz nascente indica a proximidade do Natal, quando Cristo salvador e luz do mundo, brilhará para toda a humanidade, e representa também, nossa fé e nossa alegria pelo Deus que vem. Faço votos que este tempo maravilhoso que nos é proporcionado pela Mãe Igreja, possa nos ajudar a cada vez mais estarmos preparados para a chegada de Jesus, e no acolhimento de seu Reino de amor e fraternidade.

Um santo advento e um Feliz Natal!