Homilia da Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Maria.

Informações básicas

– A Concepção Imaculada de Maria é início da Redenção.

– Oração –  Preparastes uma digna habitação para o Vosso Filho.

– Leituras: Gn 3,9-15.20 ; Sl 97(98),1.2-3ab.3cd-4 (R. 1a); Ef 1,3-6.11-12; Lc 1,26-38.

Alegra-te, cheia de graça!

Assim o Arcanjo Gabriel saúda a Virgem Maria, reconhecendo-a com o título solene: “cheia de Graça”. Ele não a chama pelo nome, mas lhe confere este título, que significa: transformada pela Graça, completamente renovada pelo Amor Onipotente de Deus.

Por este motivo, a Igreja pôde afirmar solenemente (como Dogma de Fé) que Maria é Cheia de Graça, desde a sua concepção. Quando concebida no ventre de sua mãe (que a Tradição chamou de Ana), Maria não possuía nenhum traço do pecado original. E desde a sua concepção, ela foi preservada por Deus.

250px-0_limmaculee_conception_-_p-p-_rubens_-_prado_-_p1627_-_2A Imaculada Conceição não se refere à concepção virginal de Jesus, mas sim, ao primeiro instante da existência de Maria. Naquele momento, a Graça de Deus a salvou por antecipação em vista e pelos méritos de Cristo, seu Filho. É a primeira a ser redimida por Ele. Nela, “Toda Bela” toda pura, se manifesta o poder da Graça de Deus. Quer dizer que, em Maria, o pecado não é apenas coberto, oculto ou ignorado, mas sim, eliminado.

Em nossa vida, o mal/pecado ainda existe. Contudo, a Redenção que Cristo nos oferece não é ficção: um fingir estar purificado. Como alguém que varre a casa, e no fim empurra toda a sujeira para debaixo da cama. Então, basta apagar a luz e o quarto fica limpo? Não. Apenas não se vê, mas a sujeira ainda está lá. Em Cristo Jesus não é assim, não se trata de fingir estar curado, mas curar realmente! Nós, os batizados, estamos todos neste processo de cura, mas temos ainda o mal em nós (pela concupiscência → CUPIDEZ: avidez/cobiça de bens materiais ou sensíveis). Seremos curados/salvos quando formos santos e imaculados (sem mancha) pelo amor-caridade (cf. Ef. 1, 4-6) ao lado do Senhor, na vida eterna.

Ser Imaculada, não significa que Maria fosse isenta da possibilidade de pecar. Como mulher, ela possuía a Liberdade, dom que Deus dá a todos nós. Ela foi livre para decidir. E sempre decidiu por fazer a vontade do Senhor (cf.Lc. 1, 38).

batismo-frameA Graça vem em socorro a todos nós, pelos sacramentos. Mas é preciso colaborar com ela! Com a presença de Cristo em nós e nosso empenho pessoal, podemos vencer o pecado. Pois é preciso resistir até o sangue na luta contra o pecado! (cf.Hb. 12, 4).

ALEGRA-TE, VIRGEM MARIA, CHEIA DE GRAÇA! ROGA POR NÓS, PECADORES, PARA QUE POSSAMOS NOS TORNAR COMO TU: CHEIOS DE GRAÇA!

Anúncios

Domingo Pentecostes, Ano C

img3873_Pentecostes_120_destaque

  • Informações básicas:

– “E todos ficaram repletos do Espírito Santo”.
– Oração – Derramai sobre a extensão do mundo os Dons do Espírito Santo.
– 1ª Leitura At. 2, 2,1-11; Sl. 103; 1 Cor. 12, 3-7.12-13; Jo. 20, 19-23

  • Comentário:

Passados cinquenta dias após a Páscoa, chegamos à Solenidade de Pentecostes. Que segundo a tradição judaica, era a Festa das Semanas (sete semanas depois da Páscoa). O nome “Pentecostes”(no grego: Pentēkostḗ  ) significa “quinquagésimo dia”.

(1ª Leitura) Os discípulos celebravam a Festa de forma recolhida, até porque na tradição se celebrava a dádiva da Lei, da Aliança do Sinai (Ex 20,22-23,33; 34,10-28) feita entre Deus e o seu povo de Israel). Ainda amedrontados, naquela reunião feita com cautela, ali se manifesta a vinda do Espírito do Ressurrecto, fazendo morada sobre casa um dos seus. Tanto no Sinai quanto no Cenáculo, as manifestações do Espírito são as mesmas: vento, trovões e e fogo do céu – o que constitui uma teofania semelhante.

O Espírito Santo como “línguas de fogo”: língua = fala, comunicação; fogo = luz, calor e energia. É um calor divino que inflama os discípulos e os capacita a falar em todas as línguas! Assim, é permitido aos estrangeiros entenderem as maravilhas de Deus (anúncio evangélico). O milagre continua quando esses estrangeiros acolhem com alegria o Evangelho, a Boa Nova que vem de encontro aos anseios do coração de casa ser humano, independente de sua origem. Ali a Igreja se manifestou, pela primeira vez perante o mundo. A mesma Igreja que é nascida co Coração transpassado de Jesus no alto da Cruz! (Cf. Jo. 18, 34).

(Sl. 103) Nos propõe o Louvor ao Criador, após contemplar a Obra das mãos de Deus, peçamos que ele, com sua Presença venha renovar a Terra (cf. Gn. 1, 2).

(Evangelho) Mais uma vez, retomamos o texto de João que temos meditado nos últimos domingos. Porém, hoje o Senhor Jesus aparece e, ao soprar sobre os apóstolos lhes concede o Espírito Santo. Espírito que é a garantia da reconciliação total com Deus e os irmãos, que pode dar a Paz aos nossos corações. Este Espírito é também garantia da eficácia da Misericórdia de Deus em nossas vidas!

É o mesmo Espírito que, segundo S. Paulo, é fonte da Vida da Comunidade Cristã, isto é, da Igreja de Cristo (2ª leitura). É Ele quem distribui os dons/carismas para o bem comum. Por isso, cada um de nós tem o seu lugar na Igreja. Se temos um dom, nós não podemos usufruir do mesmo de forma egoísta, sem que o dom recebido se esvazie e esgotar-se. É esse dom, compartilhado na caridade que nos faz proclamar que “Jesus é o Senhor”. Deus quer renovar este mundo, dilacerado por guerras e violência, a partir de nós, seus filhos e filhas.

Para a Reflexão:

  1. Tenho consciência de que o Espírito Santo age em mim, como cristão? Eu respeito o templo de Deus que é meu corpo, vestindo-me decentemente e tendo pudor no falar? Coloco os meus talentos/dons/carismas a serviço da Igreja (Comunidade)?
  2. Tenho consciência da presença do Espírito Santo em meu próximo? Eu o respeito como um membro querido de nossa Comunidade? Valorizo os talentos/dons/carismas do próximo? 
  3. Tenho usado minha boca para proclamar o Louvor de Deus, para profetizar bênçãos e a ação de Deus na minha vida e na vida dos irmãos e irmãs? Tenho me aproximado com sinceridade e desejo de conversão do sacramento da Penitência? Tenho abusado da Misericórdia de Deus?